terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Help i'm Alive!



"Can you hear my heart
Beating like a hammer
Beating like a hammer
Help, I’m alive, my heart keeps beating like a hammer
Hard to be soft, tough to be tender
Come take my pulse, the pace is on a runaway train
Help, I’m alive, my heart keeps beating like a hammer
Beating like a hammer

If you’re still alive
My regrets are few
If my life is mine
what shouldn’t I do?
I get wherever I’m going
I get whatever I need
While my blood’s still flowing
And my heart still beating like a hammer
Beating like a hammer"

Metric

Juramento sem bandeira

"Eu juro, todos os poetas estão do nosso lado e juro que, um dia, todos os políticos se transformarão em estrelas de rock e que todas as fardas se confundirão com luzes de néon em cidades sem nome (...) e que em todas as ruas se dançará ao som de Lou Reed "Take a walk on the wild side"...e se um dia os fascistas no poder se transformarem em balas perdidas na multidão nós sairemos à rua, nós seremos mais fortes, nada nos calará, nada nos derrubará, nada...eu juro!"

João Peste

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

"Midnight Coward"



Sweetness, sweetness never suits me, when I get up to take you home
Maybe it's love, love at first slightly drunk
Now I'm walking with the sun in my mouth

Worry, worry is a well, going to let it fall tonight, from where we stand

What can't be decided
In the morning it will bring itself to you
I can see what's coming, but I'm not saying it

Sickness, weakness at the thought, of how you're going to play
How long should I stay?
Promises, promises never cease to assist it, now I'm back on my back
Please bite your words
Hurry, hurry to believe, I can always trust, as much as you deceive

What can't be decided
In the morning it will bring itself to you
I can see what's coming, but I'm not saying it

What's your middle name? How do you play the game?
I'll be the first to leave
When did I grow up? I don't want to say too much
I'll be the first to leave

What can't be decided
In the morning it will bring itself to you
What can't be decided
Can fool you into thinking maybe you can choose

I can see what's coming
But I'm not saying it

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Pensar

"Quem escreve é o responsável da irresponsabilidade de ser quem é."
Vergílio Ferreira

domingo, 29 de novembro de 2009

Cavaleiro Andante



"Pk sou o cavaleiro andante k o meu velho medo inventou (...)"

já procurei akele ke me justificasse o aki e agora, k dps do acidente me juntasse os cacos, kuando me partia toda, ke compreendesse akilo k de mim desconhecia, ke me amasse incondicionalmente...mas como kem procura, nem smpr encontra, msm k em sonhos, deixei de procurar e ao faze-lo, encontrei kem smpr esteve cmg, nos melhores e piores momentos, kem me obriga a levantar todos os dias kuando me apetece é dormir e n acordar ou desistir, kem me obriga a amar, msm kuando n me axo merecedora d afecto algum, e exe alguém sou Eu! Sim, eu vou e apanho os cacos, lambo as feridas, ponho-me em pé, continuo a andar e insisto em mim, inventando sentidos e evitando os buracos, pk eu sou o cavaleiro andante que mora no meu livro de aventuras...:)

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Balada dum amor só

K o amor nunca xegue ao fim, kuando td o mais acaba (c/ a inevitável erosão dos dias, dos meses, dos anos) ele resiste, às vezes como um velho adolescente incoerente às voltas c/ os seus sonhos sem cabimento, mas existe SÓ e só acaba c/ a data do noxo fim...



uma mão fecha-se sempre noutra msm na sua ausência

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

cada dia é uma oportunidade de recomeçar tudo de novo



Abrir os olhos respirar
sentir ke cada fôlego pode ser o último e não é
apesar do coração, do corpo todo kebrado
o futuro entra a cada golfada de ar
o passado sai ao expirar doendo o ke passou
e ao inspirar com toda a força o novo dia entra plos pulmões a arder

inspirar
expirar

até não me aperceber mais que o faço e...continuar a viver

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Dream about me




"Dream About Me"

Babe
Oh, dream about me
Lie... on the phone to me
Tell me no truth
If it is bad
There's enough in my life
To make me so sad

Just dream about
Color fills our lives
Just dream about
Someone else tonight

Babe
Oh, dream about me
On the phone
Talking quietly
I wanna be yours
Oh, won't you be mine
Against red skies
For all time

So dream about... us
When we're old
Just dream about
How I will let go

Hand...

Hand...

And babe
Oh, dream about me
Lie, on the phone to me
Tell me no truth
If it is bad
There's enough in my life
To make me so sad

Just dream about
Color fills our lives

Just dream about
Someone else tonight

Just dream about
Color fills our song

Just dream about
How I will let go

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

somewhere inside me...



"Who am I, love?
What am I supposed to be?
One life alone,
Oh somehow it's made for me What do I do?
What can I say?
It's nothing new,
The choice was made
But what if I lose my way?
And run right into you,
Deep inside we'll never be anything other than lonely,
Tell me what does it take?
To breathe it into you,
Weak inside we'll never be anything other than lonely
One bleeding scar,
Still feels how it used to feel,
It's all so wrong,
No easy way to believe
What do I do?
What can I say?
It's nothing new,
The choice was made
But what if I lose my way?
And run right into you,
Deep inside we'll never be anything other than lonely,
Tell me what does it take?
To breathe it into you,
Weak inside we'll never be anything other than lonely
I wanna ride,
I wanna hide,
What I've become,
Now you're no longer mine,
I wanna feel,
Something that's real,
Somewhere inside
But what if I lose my way?
And run right into you,
Deep inside we'll never be anything other than lonely,
Tell me what does it take?
To breathe it into you,
Weak inside we'll never be anything other than lonely
I wanna ride,
I wanna hide,
What I've become,
Now you're no longer mine,
I wanna feel,
Something that's real,
Somewhere inside."

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

OS POETAS-NAVIO DE ESPELHOS




O navio de espelhos
não navega...cavalga

Seu mar é a floresta
que lhe serve de nível

Ao crepúsculo espelha
sol e lua nos flancos

Por isso o tempo gosta
de deitar-se com ele

Os armadores não amam
a sua rota clara

(Vista do movimento
dir-se-ia que pára)

Quando chega à cidade
nenhum cais o abriga

O seu porão traz nada
nada leva à partida

Vozes e ar pesado
é tudo o que transporta

(E no mastro espelhado
uma espécie de porta)

Seus dez mil capitães
têm o mesmo rosto

A mesma cinta escura
o mesmo grau e posto

Quando um se revolta
há dez mil insurrectos

(Como os olhos da mosca
reflectem os objectos)

E quando um deles ala
o corpo sobre os mastros
e escruta o mar do fundo

Toda a nave cavalga
(como no espaço os astros)

Do princípio do mundo
até ao fim do mundo


Mário Cesariny

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

pk é criminoso n nos importarmos...


a animação é brutal e a mensagem cala fundo...mas deve-nos fazer assinar, falar, gritar contra as injustiças...pk até para nascer(principalmente pa ixo) é preciso ter uma sorte dos diabos...por ixo é k kuando vejo atrocidades penso...podia ser eu a estar ali a sofrer...:(

A nave mãããe!!! lol



Vieram-me buscar mas enganaram-se nas coordenadas, é no outro extremo da Europa rapazes, k azelhas mais um poukinho tavam na Ásia! Enfim é das condições atmosféricas n dá pa ver nd...Tenho k lhes arranjar um GPS melhor, é o k é! :)

sábado, 10 de outubro de 2009

Deixa eu dizer...



Deixa, deixa, deixa
Eu dizer o que penso dessa vida
Preciso de mais desabafar
Suportei meu sofrimento
De face mostrada, riso inteiro
Se hoje canto o meu lamento
Coração cantou primeiro
E você não tem direito
De calar a minha boca
Afinal me dói no peito
Uma dor que não é pouca

Claudia

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Purple rain



"I never meant 2 cause u any sorrow
I never meant 2 cause u any pain
I only wanted 2 one time see u laughing
I only wanted 2 see u laughing in the purple rain"

Prince

sábado, 3 de outubro de 2009

Génese

Eu sou algo por fazer
Tu já és outra pessoa
Eu cantei o canto mais escuro da nossa casa
Não morri nas noites
Impérios de futuros ke já não nos pertencem
Mas as palavras impelem-nos para a frente
Elas podem sempre tudo
Até destruir-nos
Leva tempo a recuperar do silêncio
Numa espécie de desilusão cansada
mas aonde, agora, tudo é, outra vez, possível

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Shelter

"I find shelter, in this way
Under cover, hide away
Can you hear, when I say?
I have never felt this way

Maybe I had said, something that was wrong
Can I make it better, with the lights turned on…"


"cant handle this one
i still want to drown whenever you leave
please teach me gently how to breathe..."

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Little person



" Everything is more complicated than you think. You only see a tenth of what is true, and there are a million little strings attached to every choice you make. You can destroy your life every time you choose. But maybe you won't know for 20 years and you may never ever trace it to its source. And you only get one chance to play it out. Just try and figure out your own divorce. And they say there is no fait but there is... its what you create."

And even though the world goes on for eons and eons, you are only here for a fraction of a fraction of a fraction of a second. Most of your time is spent being dead or not yet born but, while alive, you wait in vain, wasting years for a phone call or a letter or a look, from someone or something to make it all right, and it never comes or its seems to, but it doesnt really, so you spend your time in vague regret, or even vaguer hope that something good to make you feel connected, something to make you feel whole, something to make you feel loved.. and the truth is...that I feel so angry, and the truth is...that I feel so fucking sad... and the truth is I´ve felt so fucking hurt for so fucking long and for just as long Ive been pretending that Im ok just to get a long, just for.. I dont know why, maybe because... no one wants to hear about my misery because they have there own...well...fuck everybody. Amen."



Eu sou apenas uma pekena pessoa num mar de muitas pekenas pessoas k nd sabem sobre mim, eu faço o meu pekeno trabalho, vivo a minha pekena vida, tomo as minhas pekenas refeições (...) e talvez algures tavez um dia, eu encontre essa outra pekena pessoa ke olhe para mim e diga "eu conheço-te!(...) A vida é preciosa e mais preciosa será ctg nela."

terça-feira, 22 de setembro de 2009

a noite passada



Sérgio Godinho : A noite passada

A noite passada acordei com o teu beijo
descias o Douro e eu fui esperar-te ao Tejo
vinhas numa barca que não vi passar
corri pela margem até à beira do mar
até que te vi num castelo de areia
cantavas "sou gaivota e fui sereia"
ri-me de ti "então porque não voas?"
e então tu olhaste
depois sorriste
abriste a janela e voaste

A noite passada fui passear no mar
a viola irmã cuidou de me arrastar
chegado ao mar alto abriu-se em dois o mundo
olhei para baixo dormias lá no fundo
faltou-me o pé senti que me afundava
por entre as algas teu cabelo boiava
a lua cheia escureceu nas águas
e então falámos
e então dissemos
aqui vivemos muitos anos

A noite passada um paredão ruiu
pela fresta aberta o meu peito fugiu
estavas do outro lado a tricotar janelas
vias-me em segredo ao debruçar-te nelas
cheguei-me a ti disse baixinho "olá",
toquei-te no ombro e a marca ficou lá
o sol inteiro caiu entre os montes
e então olhaste
depois sorriste
disseste "ainda bem que voltaste"

N há motivo para te importunar a meio da noite



smpr fui ciosa da minha solidão, smpr a desejei e smpr procurei os amigos kuando keria companhia, mas há alturas na noite em k já é kuase dia kuando ela aparece indesejada e acutilante, kuando somos uma ilha desesperadamente só, kuando o resto do mundo dorme... aki o José Luis Peixoto (do kual n sou grande apreciadora) sentiu-a na pele e teve k a dizer...

O vídeo c todos os seus ângulos e pormenores ilustram bem as palavras- a sincronização entre texto, musica e imagem é perfeita- e o resultado é...belo e perturbador

domingo, 20 de setembro de 2009

There there

"just cause you feel it doenst mean its there"




"we are accidents waiting waiting to happen" :(

Efeito Pigmaleão

"A nenhuma coisa deveria ser dado um nome, pois há o perigo de que essa coisa a transforme."

Virgínia Wolf

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Alien

Felizmente n sou akilo k tu crês na tua vã tentativa de apreenderes/manipulares o mundo. N me enkuadro. Sou Alien.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

i think i'm crazy

E tu dizes do alto da tua sabedoria e sensibilidade:

-chora k dps n precisas de te sentir fraca exa é a tua maior frakeza o medo de te expores, n vês k n é axim tão complicado alguém ver-te tal como és, n vês k exa kuaker coisa de especial até pode ser a tua fragilidade?...

E a outra d mim mesma responde:

-tão e tu n vês k nunca ninguém nos vê tal como somos? se nem seker nós sabemos tal coisa...nem seker tu, eterna carpideira d sensibilidades a esmo...és smpr erro d percepção dos outros, construção, estereótipo, o k nos define minha kerida são os clichés e eu n kero ser definida, à viva força plo lado da tua frakeza, ainda k ela pareça poética bonita, td ixo n deixa d ser o k é vulnerabilidade ke soa a "coitadinha" e deixa-me o nariz vermelho e a pingar e esborrata-me a makilhagem toda e...

- Ai k estupidez rapariga tu nem usas makilhagem...e k te interexa akilo k os outros pensam?

- Olha às vezes até uso e na altura k tiver a usar, c a sorte macaca ke tenho pode-me perpassar assim algum momento d extrema tristeza e prefiro-a sentir mil vezes mais forte debaixo do meu sorriso ke por detrás das tuas lágrimas ( d crocodilo, outro rótulo é vrdd ) e n, n é uma máscara, n estou longe de mim, de ti de nós msms nem demasiado perto dos fantasmas, das feridas k juntas carregamos, ixo td n fica mais vivo cá dentro só por n se esvair em lágrimas, ou se calhar até fica mais enterrado no corpo e na volta é essa a finalidade da coisa: n me permitir eskecer das pessoas k foram/são tão importantes para mim, não chorando-as plos poros fora, exa é minha maneira estúpida, dolorosamente sorridente de sentir, d ser...ah e kem n se preokupa c o k os outros pensam? kuanta ingenuidade a tua: akeles k dizem n se preokupar, ao dize-lo ja se tão a preokupar c o assunto...somos os espelhos (mts vezes deformados)uns dos outros é o k é, impossível ser alheia a ixo e à miopia do mundo...

- Miúda vamos lá acabar c ixto,senão kualker dia damos por nós a falar alto e a gesticular tikes eskesitos a acompanhar o discurso, olha ke por menos já internaram mt boa gente em kuartos de paredes acolchoadas! Como sou a mais sensata das duas, deixo-te ficar c a razão toda, faz de conta ke concordo ctg oh "durona" d trazer por casa, cliché k tu própria escolheste para te/nos definir!

-Gosto de ser eu a escolher os clichés k vamos usar :)

-Então sorri kuando tiveres triste e chora kuando tiveres feliz se ixo te fizer...feliz

-OOOh obrigadinha kuanta gentileza da sua parte agora até tou c vontade de chorar d felicidade ;)vá passa lá o belo do kleenex vá!!

-és msm cínica rapariga...

-Obrigadinha, prefiro esse cliché ao de ingénua!

-se calhar pk és...doida? lol

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

nobody said it was easy



no one ever said it would be this hard...

(pk há momentos d fragilidade)

terça-feira, 8 de setembro de 2009

E se não encontras a saída acredita em ti a saida és tu...

"Resiste, vence. Dos fracos não reza a história.

Vive hoje tudo que amanhã já és memória.

Dá sempre corpo à luta, a tua vida inteira.

Mais vale chorar de dor que rir de bebedeira.

Tens de aguentar sempre pancadas sem fugir.

Sexo, drogas, Rock'n Roll sempre a partir.

Esta mistura é mesmo um quadro mal pintado,

Se Deus existe, podes crer que, fez o mundo ressacado.

Aguenta o choque, o que não mata fortalece.

Aquilo que se aprende assim nunca se esquece.

Há muitos dias em que o mundo faz ferida.

Mas vinga-te da morte! Agarra-te à vida!

Aguenta todas as pancadas e pedradas,

Verás que dramas desaguam em piadas,

A vida é bela mas prepara-te p'rá luta.

Se alguém te diz que é fácil, é filho da puta!"



Klepht





"Vive a vida tira proveito até ao fim da corrida, põe-te de pé e grita bem alto estou vivo e vivo"

Já disse a saída és tu, como se assim dito/ escrito em voz alta fosse mais fácil acreditares em ti mesmo, como se assim custasse menos viver todos os dias k nos matam um bocadinho mais...às vezes nem o sol a keimar parece akecer o corpo dormente ke abriga a alma virada do avesso, escondida há tanto tempo, mas "aguenta todas as pancadas e pedradas" ke a vida te dá e resiste! Lambe as feridas, cuida de ti...because" every passing minute is another chance to turn it all around" :)

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

i'll see you in another life when we are both cats...



o corpo fuga, astro, corpo precipício, memória reinventada...o corpo e o desenho do teu rosto inteiro nas minhas mãos a anos luz tão perto d mim...

tu e eu onde imagino k fomos tão felizes...




Essil on
Essil on erifet al
Essil on
Essil on eriftel al
Essil on

I travelled through light
I travelled through light; I am not afraid

O corpo


"Basta me acordar, diz Foucault, que não posso escapar deste lugar,que é o meu corpo. Posso-me mexer, andar por aí, mas não me posso deslocar sem ele. Posso ir até o fim do mundo, posso-me encolher debaixo de um qualquer abrigo, mas o corpo estará sempre onde eu estou. Ele está aqui, irreparavelmente: não está nunca, noutro lugar. O meu corpo é o contrário de uma utopia. Todos os dias-continua Foucault- eu me vejo ao espelho: rosto magro, costas curvadas, olhos míopes, nem um cabelo a mais... Verdadeiramente, nada bonito. O meu corpo é uma jaula desagradável.
É através das suas grades que eu vou falar, olhar, ser visto. É o lugar a que estou condenado sem recurso. É possível que contra esse corpo tenham nascido todas as utopias, dele nasce a utopia original -a de um corpo incorporal: o país das fadas, dos elfos, dos génios, onde as feridas se curam imediatamente, onde caímos de uma montanha sem nos magoarmos, onde podemos ficar invisíveis."

Ke sei de mim de ti?

– Ke sei de Deus, então? –

Corpo = pai.

Corpore = filho.

Corpus = espírito.
"

Alma, morada, prisão, liberdade o Corpo surpreendente, todo desejo todo tristeza, ausência e alegria pulsando num só corpo que corpo vive por mim através de mim, por acção da minha vontade d kerer descobrir/ destruir outros corpos no corpo do meu corpo, um sentido a dar à vida aguarda dentro do corpo...

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Glósóli - Sol Resplandecente



"Sol resplandecente
Agora que estou desperto
tudo me parece distinto
Olho ao meu redor
e não encontro nada
Ao calçar os sapatos dou-me conta
de que ela ainda traz o pijama vestido
encontrado num sonho
pendurado sobre (um) anti-climax
Ela está com o sol
E ali está
Mas tu, onde estas tu….
Começa a tua viagem
deambula nas ruas
Se não encontras a saída
faz-te guiar pelas estrelas
Ela estará sempre lá
e aparecerá de repente
Ela é o sol resplandecente
Saíamos então
Acordei de um pesadelo
O meu coração bate
descontroladamente…
Fui-me habituando tanto a esta confusão
Que agora é compulsivo
E aqui está
Sinto-o
E aqui está
sol resplandecente...
E aqui está
sol resplandecente…
E aqui está
sol resplandecente…
E aqui está…"

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Dam bo

"Dá-me o que tens de ti
tu que tens o poder de serenar
e alimentar a minha alma.
Dá-me o que tens de ti,
tu que me iluminas e matas a minha sede.
Não quero estar só."



Sempre que tou mal volto a esta preta linda só ela me pacifica a alma...

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Macacos que se odeiam, que adoram "deuses", que se sentem sós e que querem ser felizes...



Ok mas o que estes macacos que não querem ser macacos mais adoram, acima de todas as outras divindades por si criadas, é msm o dinheiro e o "poder" (que o dinheiro traz) com os quais subjugam todos os outros macacos que o não têm e é sobretudo em nome dessas duas divindades (dinheiro e poder), que eles fazem as guerras e se auto destroem (porque se odeiam também) invocando sempre, claro está, outras razões para o fazer, por causa duma sua outra característica que os atrapalha: a consciencia de si...bad ass monkeys thats what they are...

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Nuvens na cabeça


dá pa manter os pés no chão e sonhar ao msm tempo?...

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Summertime



"Summertime and the livin is easy
Fish are jumpin and the cotton is high
Oh your daddys rich and your ma is good lookin
So hush little baby, dont you cry
One of these mornings
Youre goin to rise up singin
Then you're spread your wings
And you'll take to the sky(...)"

quinta-feira, 23 de julho de 2009

"And still there was you, the center of me"



"Do you spend your all life trying to get back home? oh where do you go?(...) and what do you know baby what do you know about where i come from / about who i am?...when i see you naked i see more then a flesh do you see the same thing?..."



Esta musika n me sai da cabeça...

um "miminho" da pixar :)



adorável esta dupla da nuvem cinza e cegonha estarola...agora já sei donde vim lol

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Inspiring...

E pk Edimburgo n é apenas palco d filmes sobre grupos d jovens k alegremente arruínam as suas vidas aki vai um vídeo (roubado à Wind no seu blog) k fala duma droga fabricada plo nosso próprio corpo a "adrenalina" mt mais eficaz k mts estimulantes sintéticos e da força de vontade e persistência, perfeccionismo ( além da boa forma física, claro) necessários para executar estas manobras, ora vejam lindo ( a musica tb é 5 estrelas):



P.S: Gosto do apontamento d civismo do rapaz e dos transeuntes preokupados :P

domingo, 19 de julho de 2009

hey punk be like me choose life!

"Choose life. Choose a job. Choose a career. Choose a family. Choose a fucking big television, Choose washing machines, cars, compact disc players, and electrical tin openers. Choose good health, low cholesterol and dental insurance. Choose fixed- interest mortgage repayments. Choose a starter home. Choose your friends. Choose leisure wear and matching luggage. Choose a three piece suite on hire purchase in a range of fucking fabrics. Choose DIY and wondering who you are on a Sunday morning. Choose sitting on that couch watching mind-numbing sprit- crushing game shows, stuffing fucking junk food into your mouth. Choose rotting away at the end of it all, pishing you last in a miserable home, nothing more than an embarrassment to the selfish, fucked-up brats you have spawned to replace yourself. Choose your future. Choose life... But why would I want to do a thing like that?"



"I chose not to choose life: I chose something else. And the reasons? There are no reasons. Who need reasons when you've got heroin?"

Ok substitui a "heroína" por BZP, coca, anfetaminas, etc...e o discurso continua actual, a outra droga d vida, a correcta, a saudável, continua a msm merda d smpr lol

...é-se rebelde vai-se até ao fundo na peskisa dakilo k nos altera e nos revela os nossos abismos mais profundos, a maior parte das vezes financia-se essa rebeldia da treta c o dinheiro do papá e da mamã (Cause mom, dad: we're the "fucked-up brats you have spawned to replace yourself" lol)e dps os papás fartam-se da brincadeira e endireita-se a vida às nossas custas e fazemo-lo tão bem ke kuando damos por nós, é tarde demais, tornámo-nos exactamente nakilo k smpr desprezámos ( e amamos): os nossos próprios pais...


"So why did I do it? I could offer a million answers - all false. The truth is that I'm a bad person. But, that's gonna change - I'm going to change. This is the last of that sort of thing. Now I'm cleaning up and I'm moving on, going straight and choosing life. I'm looking forward to it already. I'm gonna be just like you. The job, the family, the fucking big television. The washing machine, the car, the compact disc and electric tin opener, good health, low cholesterol, dental insurance, mortgage, starter home, leisure wear, luggage, three piece suite, DIY, game shows, junk food, children, walks in the park, nine to five, good at golf, washing the car, choice of sweaters, family Christmas, indexed pension, tax exemption, clearing gutters, getting by, looking ahead, the day you die."



Um dos meus filmes d smpr, n dos melhores k vi mas dos meus preferidos, pla ironia e pla banda sonora k é um mimo :)

terça-feira, 14 de julho de 2009

Arco-íris


"Será a memória um lugar seguro?"...
O melhor será pintá-la de todas as cores do arco-íris
o arco dos abraços
o arco do arco-íris
a íris menina dos olhos
olhos que são peixinhos a nadar por dentro de todas as coisas
que brilham no arco do arco-íris
que abraça o mundo inteiro

P.S: Continuo a procurar o meu "pote d Oiro" :)

sábado, 11 de julho de 2009

like a candle in the wind...



Atrás dum ícone, duma figura ke foi tão ridicularizada enkuanto viva (plos vistos plos mesmos ke agora a incensam) estava um homem ainda criança que nunca o chegou a ser verdadeiramente, cheio de fragilidades, medos, e acima de tudo vontade de ser amado como kualker um de nós...no matter what

agora que o homem morreu (de solidão?...)parece ke o mito acaba de nascer e muita gente vai lucrar com isso; há certos homens que mortos valem mais do que vivos...sad but true :(

R.I.P Michael

quinta-feira, 2 de julho de 2009

MONÓLOGO


Um homem entra, senta-se e começa a falar


A “Loucura da normalidade” foi uma frase que algures li ou alguém me disse…não sei…mas de facto faz todo o sentido, se pensarmos bem, nada disto faz sentido não acha? (sorriso triste) A insanidade crónica da normalidade (pausa) somos todos robots com botões para acender e apagar, somos o saldo da nossa conta bancária, somos aquilo que consumimos, que nos consome, não somos nada… (e virando-se para a interlocutora) já reparou que temos horas para tudo e para nada?! Horas para acordar, horas para dormir, horas para comer, para trabalhar, horas para foder e muitas, muitas horas para nos adiar…( mostrando-se algo agitado) às vezes apetecia-me arrumar estas horas todas que nos fazem tanto mal com um murro certeiro na barriga dos dias!...E no entanto no entretanto destas horas todas desperdiçadas algo fica por fazer (pausa) esse algo somos nós às avessas à procura de qualquer coisa que nos justifique as horas a mais e os passos a menos que demos ao encontro de nós mesmos (nova pausa) ou serei só eu a sentir-me assim...incompleto?...Não no fundo, acho que nem é bem isso, é mais…acho que o que toda a gente quer- e eu incluído- é ter alguém que nos passe a mão pela cabeça e nos diga “tem calma rapaz tá tudo bem” mas está?... Está mesmo tudo bem?...(dirigindo-se à interlocutora invisível) Se tu perguntares isso a alguém- posso tratá-la por tu não posso?- Obrigado…Se se perguntar isso a alguém, está-se só a ser educado ou quer-se de facto uma resposta sincera, do tipo “ não, não estou nada bem, aliás estou cada vez pior e mais confuso” hey who cares né? (pausa) na verdade ninguém gosta de ouvir os problemas dos outros, por isso é que se paga a psicólogos e psiquiatras para o fazerem, por isso aqui estou a gastar balúrdios consigo, oh desculpe, acaso estarei a ser desagradável …? sabe no fundo eu não preciso dum médico, eu não estou doente, eu preciso é dum amigo que me oiça, um que não me cobre mais por isso, mas suponho que isso já seria pedir demais não acha? Desconfio que amigos desses já não se fabricam, o stock acabou-se (riso forçado) E a relação psicólogo/ paciente é algo clínico, formal, não é uma relação de amizade, pois não doutora?.. não seria …ético... Como? Quer que eu lhe fale de quando era puto? Se tinha amigos? Sim até tinha bastantes amigos e partilhávamos as alegrias e tristezas próprias da idade, que também as temos quando somos crianças. Lembro-me perfeitamente de 2 deles, os meus melhores amigos na altura, enfim nunca mais soube nada deles, sabe como é cada um segue o seu caminho… éramos eu, o Nuno e o…Zé Gordo…Ah o Zé era tão gordo coitado (e sorri) e nós dizíamos coisas do género “ anda cá Zé Gordo, ai o raio do badochas, pote de banhas” quando estávamos mais chateados com ele ou mesmo quando não estávamos, era só para implicar, porque podíamos, porque queríamos, porque era giro irritá-lo…enfim… era quase o equivalente ao que hoje em dia se chama de “bullying”, só que nós não sabíamos nada disso, (e sorri novamente) deve ser porque na altura não falávamos lá muito bem inglês, mas repare que não lhe dávamos porrada nem nada disso, gozávamos só um bocadinho com ele e além disso não admitíamos que mais ninguém fora do nosso pequeno circulo de amizade o fizesse senão nós, aliás era pancada na certa se tratavam mal o nosso amigo, nem chamar pote de banhas podiam…enfim, suponho que não era por maldade que se diziam essas coisas, mas lá que custava ouvir isso custava…quer dizer devia custar ao Zé…(pausa suspirando) Ah mas quem é que eu quero enganar, doutora, crescer foi horrível! Foi não, ainda o é, porque nós nunca crescemos só envelhecemos… ser-se crescido é e sempre será aguentarmo-nos á bronca do dia a dia, sem fazer muitas perguntas e ir pagando as contas a tempo e horas, não é nada de muito mais profundo do que isso (risos) por isso é que a páginas tantas nós começamos a ceder sob pressão, deve ser porque ainda não somos suficientemente crescidos para aguentarmos tudo isto como uns homenzinhos…porque crescer é uma violência…somos logo catalogados em tudo o que dizemos, sentimos ou fazemos, na escola ainda é pior do que com os “amigos”, lá somos aquela frase, aquela alcunha, ou aquele excesso de peso que nos caracteriza ( e respirando profundamente) sim é verdade, já deve ter adivinhado, eu é que era o Zé Gordo, já começa a compreender melhor as coisas não?...Talvez?...Pois isto não explica tudo claro…mas quase tudo não? (risos)…E na adolescência então…ah Drªnão basta todas as sensações contraditórias, as hormonas a fazer das suas, a voz que muda ora estridente ora grave, os sonhos molhados e os embaraços das manchas nos lençóis e pijama, todas as crises existenciais que nos torturam, o mundo que conspira contra nós, não basta ter de lidar com tudo isso ainda temos de suportar essa despromoção em forma de rótulo que nos colam na testa…e de repente deixamos de ter uma identidade própria, que tão desesperadamente procuramos, e de a poder exprimir em paz, para sermos uma caricatura ambulante daquilo que os outros acham que nós somos…apenas um estúpido saco gordo, cheio de hormonas inquietas… e toda a nossa energia, toda a nossa maneira de ser é considerada coisa própria da idade, que passa com a idade..com a idade parece que tudo passa, passa o entusiasmo de viver, passam os sonhos, passa a intensidade com que se vive a vida quando não se é crescido, até a gordura passa (risos) sim há muito tempo que ninguém me chama de badochas ou pote de banhas…entretanto é claro que adquiri outras alcunhas, não ditas á minha frente, evidentemente! Quais? Isso agora vai ter de perguntar a quem as diz, mas desconfio que neurótico seja uma delas (pausa)…estou à espera que a doutora me confirme a veracidade desta (sorri)
Ah mas mesmo sem crescermos é uma questão de tempo até nos transformarmos em adultos, ate nos “cortarem as asitas”, não dum golpe só não, mas pouco a pouco, como um veneno que se vai entranhando e é administrado desde o início da escolaridade, porque é na escola que se aprende não a ler e a contar, porque isso podia-se fazer em casa e em menos de metade do tempo, mas a agir como um adulto, ou seja a obedecer, a aceitar ordens sem questionar a ordem inalienável das coisas, a aprender o nosso lugar na sociedade, a aprender a não sonhar em demasia, a não questionar, a aguentar o peso das regras do jogo que nos esmaga…(pausa) Na escola entra-se criança gorda em estado de liberdade pura e sai-se um adulto vitaminado, magro, formatado, normalizado e sem nada na cabeça…eles só descansam quando nos parecemos com eles. Eles controlam tudo, o amor, os filhos, as amizades, as viagens, tudo controlado em directo e ao vivo através das mensagens subliminares, na TV, no cinema, nos anúncios a detergentes, em todos os” mass media” há um estilo de vida a seguir, a copiar, uma ordem mundial a obedecer. Não podes pensar o porquê de uma vida inteira a crédito para consumires aquilo que te consome, não precisas de pensar nisso eles já o fizeram por ti…e ao fim do dia ninguém te livra do vazio que é não saberes afinal quem tu és…E quem são eles? Eles são os gajos que mandam, os que controlam as regras do jogo, os que estão no topo da pirâmide, eles não são como nós…no fundo inadaptados a esta realidade virtual, não somos como eles, ou pelo menos Eu Não Sou como eles “normal”, mas também não sou o que eles acham de mim do alto das suas certezas inabaláveis…nem tão-pouco sou o que penso de mim…Quem sou eu afinal Doutora?...Ah já sei o que sou: “Sou qualquer coisa de intermédio, pilar da ponte do tédio que vai de nada para coisa nenhuma”…Conhece Drª? Não?...é verdade receio que além de ser neurótico e ligeiramente psicótico eu goste de poesia…como sabe um mal nunca vem só (sorri) É do Mário de Sá Carneiro…não não é o político, o gajo que caiu do avião, este também caiu mais foi doutra maneira…(é interrompido e tem um ligeiro sobressalto) Mas já está na minha hora Dra.? Bem, já estava perdido nas minhas divagações que nem dei pelo tempo passar, obrigado na mesma por me ouvir e até para a próxima sessão, de hoje a 8 à mesma hora, certo?.. então adeus Drª.…

domingo, 21 de junho de 2009

CocoRosie - Hairnet Paradise



palavras.musica. tocam-me.
como este sol de fim de tarde a lamber-me a pele ao de leve...

kero anikilar akelas palavras veneno, ke destilam ódio e ignorância, ke keimam por dentro td o k é bom e simples e tomar só as ke acrescentam poesia à vida. sempre.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Queixa das almas jovens censuradas


Dão-nos um lírio e um canivete
e uma alma para ir à escola
mais um letreiro que promete
raízes, hastes e corola

Dão-nos um mapa imaginário
que tem a forma de uma cidade
mais um relógio e um calendário
onde não vem a nossa idade

Dão-nos a honra de manequim
para dar corda à nossa ausência.
Dão-nos um prémio de ser assim
sem pecado e sem inocência

Dão-nos um barco e um chapéu
para tirarmos o retrato
Dão-nos bilhetes para o céu
levado à cena num teatro

Penteiam-nos os crâneos ermos
com as cabeleiras das avós
para jamais nos parecermos
connosco quando estamos sós

Dão-nos um bolo que é a história
da nossa historia sem enredo
e não nos soa na memória
outra palavra que o medo

Temos fantasmas tão educados
que adormecemos no seu ombro
somos vazios despovoados
de personagens de assombro

Dão-nos a capa do evangelho
e um pacote de tabaco
dão-nos um pente e um espelho
pra pentearmos um macaco

Dão-nos um cravo preso à cabeça
e uma cabeça presa à cintura
para que o corpo não pareça
a forma da alma que o procura

Dão-nos um esquife feito de ferro
com embutidos de diamante
para organizar já o enterro
do nosso corpo mais adiante

Dão-nos um nome e um jornal
um avião e um violino
mas não nos dão o animal
que espeta os cornos no destino

Dão-nos marujos de papelão
com carimbo no passaporte
por isso a nossa dimensão
não é a vida, nem é a morte

Natália Correia, in "O Nosso Amargo Cancioneiro"

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Say Fuck You to all the bigots :)



"Look inside, look inside your tiny mind
Then look a bit harder
'Cause we're so uninspired, so sick and tired
Of all the hatred you harbor

So you say it's not okay to be gay
Well, I think you're just evil
You're just some racist who can't tie my laces
Your point of view is medieval

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause we hate what you do
And we hate your whole crew
So please don't stay in touch

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause your words don't translate
And it's getting quite late
So please don't stay in touch

Do you get, do you get a little kick
Out of being small minded?
You want to be like your father
It's approval you're after
Well, that's not how you find it

Do you, do you really enjoy
Living a life that's so hateful?
'Cause there's a hole where your soul should be
You're losing control a bit
And it's really distasteful

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause we hate what you do
And we hate your whole crew
So please don't stay in touch

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause your words don't translate
And it's getting quite late
So please don't stay in touch

Fuck you, fuck you, fuck you
Fuck you, fuck you, fuck you
Fuck you

You say you think we need to go to war
Well, you're already in one
'Cause it's people like you that need to get slew
No one wants your opinion

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause we hate what you do
And we hate your whole crew
So please don't stay in touch

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause your words don't translate
And it's getting quite late
So please don't stay in touch

Fuck you, fuck you, fuck you
Fuck you, fuck you, fuck you"

Fuck You by Lily Allen

P.S: i really dont get homophobia...live and let live!

domingo, 7 de junho de 2009

A Europa numa outra galáxia longe d si...

Encarar as eleições europeias como uma espécie de primárias das legislativas portuguesas como fazem os políticos trauliteiros tugas é o reflexo de uma total ignorância sobre o k esta campanha deveria ter sido: um debate d ideias sobre a União Europeia e suas instituições e de como servir melhor os interesses de Portugal; kuando se sabe k muita da legislação interna de cada país está cada vez mais condicionada ao parlamento europeu, faria todo o sentido essa reflexão mas parece k é mt mais importante andarem à pedrada uns aos outros, a ver kem tem mais telhados d vidro ( como se restasse algum telhado intacto entre BPN´s e Freeportes) do k esclarecer o eleitorado sobre o k raio afinal é isto das eleições europeias...pk toda a campanha foi condicionada por uma total falta de pedagogia e elevação no debate político é mais k natural k a abstenção vença, não é um virar de costas às kestões europeias, é um virar de costas aos políticos d retrete ( ou seja d ***erda) e à total falta de conteúdos (válidos) apresentados. É pena pk estas eleições poderiam ter servido perfeitamente para as pessoas reflectirem sobre a importância da Europa e sobre o k é k faz um luso-deputado no parlamento europeu além d ganhar 7665€/ mês...mas a Europa civilizada parece estar cada vez mais distante dos terrákios tugas...


mas k escolha afinal?! Kuando n há escolha possível o ppl escolhe n escolher...

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Falta...kuase tudo

"Os humanos andam a afogar-se em informação e morrem de sede de sabedoria, os humanos andam sempre zangados, ansiosos, apressados. Eles não sabem mas precisam de um conceito novo, ou consciência ou unidade de conhecimento, conseguido através dum entendimento profundo dos saberes disponíveis. Falta-lhes uma espécie de Renascimento, depois da fragmentação pós-moderna da hiper-especialização do séc XX. Falta alegria, falta Arte feita por todos, não basta consumir há que criar mais beleza e falta acabar com o sistema financeiro/bancário, a escravatura em torno do dinheiro/remuneração/prisão; considero que caminhar para a perfeição do auto/heteroconhecimento deveria ser suficiente como sentido de realização e a tecnologia existente deveria libertar as pessoas e não aprisiona-las ainda mais..."

dissertação dum alien

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Mercê

A todos chamarás amigo, irmão
Menos a quem estenderes a tua mão.

"Terás o mundo todo: terra e mar,
Menos a parte onde quiseres ficar.

Os frutos poderás colher, comer,
Menos aquele que te apetecer.

E haverá sonhos p´ra sonhar, fugir;
Porém nunca ninguém te deixará dormir.

Não terás nem divisas, nem bandeiras,
Mas hão-de rodear-te de fronteiras."

António Manuel Couto Viana do livro " No sossego da Hora"

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Appris par Corps

O corpo em constante equilíbrio/desequilíbrio palco das relações humanas e dos afectos



fantástico espectáculo entre a dança, o teatro e a acrobacia

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Breathe Me



"Help, I have done it again
I have been here many times before
Hurt myself again today
And, the worst part is there's no-one else to blame
Be my friend
Hold me, wrap me up
Unfold me
I am small
and needy
Warm me up
And breathe me
Ouch I have lost myself again
Lost myself and I am nowhere else to be found,
Yeah I think that I might break
Lost myself again and I feel unsafe"

Sia

"Don't be sad.. " she says, but why shouldn't i?...sometimes listening to beautiful sad songs it's the only thing that makes me happy

terça-feira, 5 de maio de 2009

"Porreiro, pá!"



"E o povo, pá e o povo, pá?? ker dinheiro pa comprar um carro novo" lol

terça-feira, 28 de abril de 2009

a vida e as suas variações

“Exprimo uma revolta que não tem muito a ver com a minha personalidade no contacto com os outros. Sou, em geral, delicada, mas nos meus textos espero não ser delicada. O mundo exige pessoas indelicadas porque é feio. Há beleza, mas é preciso perspicácia para a encontrar… Portanto, espero que os meus textos sejam belos mas exprimam a fealdade do mundo.”

- Bénedicte Houart-

segunda-feira, 27 de abril de 2009

I Had Lost My Mind




"I had lost my mind.
I lost my head for a while was off my rocker outta line, outta wack.
See I had this tiny crack in my head
That slowly split open and my brain snoozed out,
Lyin' on the sidewalk and I didn't even know it.
I had lost my mind.

Why, i was sitting in the basement when I first realized it was gone.
Got I my car rushed right over to the lost and found.
I said "pardon me but I seem to have lost my mind."
She said "Well can you identify it please?"
I said "Why sure its a cute little bugger
About yea big a little warped from the rain"
She said "Well then sir this must be your brain"
I said "Thank you ma'am I'm always losin' that dang thing."

I had lost my mind."

- Daniel Johnston -

"dis-posição" esquizo-depressiva

Existem realidades paralelas
Onde versões diferentes de nós mesmos coexistem
Alheios uns aos outros
e só os loucos se apercebem disso
Mas ninguém acredita nas vozes dentro das suas cabeças


E se fores só um terás um só olhar
Se fores vários terás uma míriade deles
Que nunca mais conseguirás olhar a vida plo filtro da “normalidade”
Porque uma coisa será sempre outra coisa qualquer
A vida assim cansará menos?

sábado, 25 de abril de 2009

Quis saber o k é feito da revolução...(aonde a liberdade?)

Mais um 25 mas a luta continua por uma real democracia...Liberdade aonde? Kem pode ser livre no desemprego ou a receber salários d miséria? Kem pode ser livre c tanta desigualdade social? Precisamos dum sistema melhor pk este n presta...



"Quis saber quem sou
O que faço aqui
Quem me abandonou
De quem me esqueci

Perguntei por mim
Quis saber de nós

Mas o mar
Não me traz
Tua voz.

Em silêncio, amor
Em tristeza e fim
Eu te sinto, em flor
Eu te sofro, em mim
Eu te lembro, assim
Partir é morrer
Como amar
É ganhar
E perder

Tu vieste em flor
Eu te desfolhei
Tu te deste em amor
Eu nada te dei
Em teu corpo, amor
Eu adormeci
Morri nele
E ao morrer
Renasci

E depois do amor
E depois de nós
O dizer adeus
O ficarmos sós
Teu lugar a mais
Tua ausência em mim
Tua paz
Que perdi
Minha dor que aprendi
De novo vieste em flor
Te desfolhei...

E depois do amor
E depois de nós
O adeus
O ficarmos sós"

- Paulo de Carvalho

P.S: Esta canção serviu de senha de início da revolução de 25 de Abril de 1974

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Resíduos do Movimento Homeostético

se o universo se comprimisse a um kanto k kanto okuparia? o kanto do ku? o universo cheirará mal ou será algo asseado?...marilu diz-me tu...

"Eu sou um pobre desalmado
Sou um homem muito triste
E da-me a impressao
Que pior do que eu nao existe
Sou um tipo abandonado
Tenho um caracter apagado
E no meu coracao
Uma duvida subsiste
Marilu
Diz-me se es mesmo tu
Marilu
Deixa-me ir-te ao cu
Sou aquele tragico campino,
Que cavalga na pradaria
Em cima da sua mula
Que se chama Maria
Eu ja tive muitas experiencias
De segundo e terceiro grau
E posso te garantir
Que nao sou nada mau
Marilu
Diz-me se es mesmo tu
Marilu
Deixa-me ir-te ao cu
MariMariMariMariMarilu
MariMariMarilu
Marilu
Deixa-me ir-te ao cu
E ja estou quase a ir-me embora
Deixo uma mensagem para ti
Em homenagem a esse monumento
Que eu nunca comi
Com duas letrinhas apenas
Se escreve a palavra cu
Mas sao preciso seis
Para eu dizer Marilu
Marilu
Diz-me se es mesmo tu
Marilu
Deixa-me ir-te ao cu"



"ENA PÁ 2000, 20 anos a Pedalar na Bosta"


há lá algo mais escatológico do k ixto?

P.S senão vejamos a origem etimológica da palavra "escatologia": "éschatos" (último) + lógos = parte da Teologia que se refere às coisas que deverão suceder no fim do mundo
Mas tb do Grego skór, skatós (excremento) + lógos, ou seja tratado sobre os excrementos lol.
e na vdd o Ku é parente por via ascendente do excremento :)

terça-feira, 21 de abril de 2009

Um ponto de Luz




Somos aquilo em que acreditamos, aquilo em que sonhamos, quero acreditar que fomos feitos também para sermos felizes e não indiferentes uns aos outros, os publicitários sabem bem desse nosso desejo por cumprir por isso exploram-no até ao tutano, deixando-o a saber a nada, nos anúncios a refrigerantes, asseguram-nos: "estás aqui para ser feliz" mas só se consumires coca-cola, e por extensão se-lo-ás sempre que comprares aquela marca, se fizeres isto ou aquilo que disserem para tu fazeres, se pensares assim, se olhares para ali, se andares por aqui, se te poupares à angustia de pensares e decidires por ti mesmo...mas nós somos o que somos sem muitas vezes sabermos ao certo o que somos e para onde vamos, somos a soma e a subtracção de todas as pessoas que passaram pelas nossas vidas e as que connosco ainda se irão cruzar; prosseguimos na procura do nosso ponto de luz a pulsar nas nossas veias e queremos partilhar, com toda a força, da imensa fragilidade e ternura que habita em qualquer um de nós, que é "um rio que desliza" um sol que mesmo quando dói brilha...:)

sexta-feira, 17 de abril de 2009

a vida tal como ela é: pop/pimba neo-realista horny e sem um pingo de poesia

Este sábado
Depois de um almoço gorduroso e
excessivamente salgado
Quero a televisão acesa o dia todo
Nos programas mais estúpidos que houverem
O comando na mão direita
A tablete de chocolate na esquerda
Vou fazer zapping pla vida

A vida corre normal entre despedimentos, layoffs, o caso Freeport e o BPN

O Ze paranormal faz croxé enquanto sintoniza com suas antenas paranóicas o canal desportivo. Hoje há futebol, chulé e sopa de chouriço. A Maria peluda vai comentando, enquanto folheia a Tvguia, a politica nacional que parece que vai mal, quer tudo é mama, diz que é tudo corrupto e há um engenheiro que diz que é gay e que afinal não é engenheiro é só gay e tem como hobby fazer lobby, o que também não faz mal e parece que até está na moda (o fazer-se lobby n o ser-se gay k o k está na moda é parecer-se gay okay?). O Zé comenta a propósito que há dias atrás no Continente o tio Belmiro essa bixa do demónio, retirou os sacos dos congelados por causa da crise e porque os clientes são garganeiros, que à borla só a pagar mesmo, que o tio anda pouco rico para tanta prodigalidade! A Maria acrescenta que já não é bem assim, voltaram a por os sacos à discrição na secção de congelados e eu não sei nada disso porque tenho eurónios como na publicidade e só vou ao minipreço onde todos os sacos são democraticamente vendidos a 3 cêntimos cada.

Entretanto a cultura continua a mesma, nas tardes da Júlia há casos da vida real...Tudo gravadinho para meu deleite :)

E quando cansar da companhia e da programação "requentada"
despeço-me do Zé e da Maria
desligo a televisão e mando vir
do catalogo da revista online “ragazzino in pelota”
Aquele gajo todo bom 10 anos mais novo do que eu
e com nuvens na cabeça
Para fazer a limpeza da minha cuzinha
Vestido apenas com um avental

Enfim um dia eu crio juízo
Mas não precisa de ser para já
Talvez o faça quando acabarem com as telenovelas da TVI
Ou kuando acabar o saldo do meu cartão de crédito
O que quer que seja que vier primeiro…

quinta-feira, 16 de abril de 2009

once upon time there was a litle girl with a beautiful mess inside

"Just look at yourself now
deep inside
deeper than you ever dared
there's a beautiful mess inside
beautiful mess inside"

Yael Naim




A tua confusão também é a minha
O teu cansaço
A tua pequena derrota
Quando te assustas há uma parte de mim
Que se enche dessa cor que o medo pinta
E quando estás alegre
Sou da leveza desse mesmo coração

New Soul




"I'm a new soul I came to this strange world hoping
I could learn a bit 'bout how to give and take.
But since I came here felt the joy and the fear
Finding myself making every possible mistake

(...)

I'm a young soul in this very strange world
Hoping I could learn a bit 'bout what is true and fake.
But why all this hate?
Try to communicate finding
Just that love is not always easy to make
."


-Yael Naim

domingo, 12 de abril de 2009

The Pills Won't Help You Now - Chemical Brothers



normalmente n gosto de vídeos educativos mas esta musika é linda e juntamente c o vídeo ilustra bem como akilo k no inicio te parece libertar acaba por te "aprisionar"...é smpr bom relembrar: don't poison your body...

"Thought we were going
and go up the field a ways
and join all the other living souls
but you never came

robbed of your fortune
you get disappointments in life
you're probably poisoning your body
i hope you're alright

in a moment of fear
you dig in your heels
the pills won't help you now
once you're crying"

- Os manos kimicos

terça-feira, 7 de abril de 2009

the pale blue dot...lição d humildade



"The earth is a very small stage in a vast cosmic arena. (...) To my mind, there is perhaps no better demonstration of the folly of human conceits than this distant image of our tiny world. To me, it underscores our responsibility to deal more kindly and compassionately with one another and to preserve and cherish that pale blue dot, the only home we've ever known."

— Carl Sagan

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Monógo a duas :)


"Por vezes os dias em que ainda nos reconhecemos sobrepõem-se a tudo. E pensamos que não é tarde, que nunca é tarde para procurar a nossa própria realidade, o tempo é uma abstracção. O tempo pode ser uma abstracção mas enfiámo-nos num labirinto sem saída, foi o que o último sonho me disse. Uma estrada, dia cinzento (aliás a cor que me tem acompanhado ultimamente). Desço para um vale e pressinto que a estrada não tem fim. Perto de um conjunto de casas que me parecem abandonadas vejo um homem. Paro. Em vez da palavra estrada sai-me labirinto. Este labirinto não tem fim? Que labirinto? Este, a estrada. É sempre em frente. A resposta será sempre esta. Todos nos dizem para olhar em frente, para continuar o percurso e seguir as indicações que nos dão à partida num mapa arrumado, como tudo o que aliás nos dão.
Somos condicionados desde muito cedo a olhar de uma determinada maneira. Nunca sabemos se o que encontramos é o nosso olhar original e vemo-nos sempre aflitos e desamparados quando queremos pensar com os nossos pobres neurónios. Somos cúmplices de todas as ilusões porque nos são necessárias. Para quem viveu toda a vida na mentira, no equívoco, como é o meu caso, só muito mais tarde começa a descobrir as coisas autênticas. Para quem aprendeu a iludir a dor e a angústia, como é também o meu caso, vê-se completamente perdido quando procura identificar exactamente o que sente. Mas as alternativas que eu encontro no meu percurso não são brilhantes. Não conheço muitas pessoas que analisem a fundo as coisas, o tipo de vida que levam. Mesmo partindo do princípio que cresceram num ambiente realista e autêntico, em que se conhecem as coisas pelos nomes e pela sua função real e não aparente, em que se conhecem as pessoas como são na realidade e não como as imaginamos, em que se aprendem as regras do jogo e se aproveita ao máximo esse conhecimento, não percebo muito bem porque é que isso não se traduz em pessoas mais interessantes e originais. Porque é que a adaptação à realidade não as torna mais autónomas é coisa que não compreendo, talvez mais felizes consigo próprias mas isso será suficiente, não sei.
No fundo nunca me consegui adaptar, não foi por falta de várias tentativas da minha parte e toda a boa vontade da minha parte, mas para isso teria de ter nascido noutra casa, noutro lugar, com um cérebro programável, talvez. Muito mais tarde descobri que foi apenas por um feliz acaso, repito um feliz acaso, que escapei a essa programação. Quem é que quer ser feliz se pode aprender a olhar as coisas e as pessoas de um sem número de perspectivas diferentes. Quem é que se contenta com a simples satisfação consigo próprio quando há imensos abismos a que não se pode fugir. Quando penso que o objectivo do estudo científico das pessoas que frequentei nessa escola estatal é precisamente a adaptação do indivíduo, mesmo que lhe chamem outras coisas como viver em sociedade, etc., e a tal satisfação pessoal, dá-me vontade de rir até às lágrimas. Aprendemos a rir do que nos é mais doloroso, é uma questão de sobrevivência. Aprendemos a rir do que nos vão tirando ao longo do nosso percurso, tudo aquilo que amamos, tudo aquilo que procuramos, até ficarmos entregues a nós próprios e à nossa capacidade de sobrevivência. Fugimos da influência da nossa família que é a mais perigosa, porque se insinua da forma mais subtil com a mesma lógica do poder que vamos encontrar na sociedade. Fugimos da influência dessa sociedade e dessa lógica que nos é imposta desde logo e demasiado cedo. E mais tarde descobrimos que afinal andamos à procura daquilo que mais nos assusta, os afectos e a lógica do poder que as pessoas passam a ter sobre nós e que nós da forma mais hipócrita queremos ter sobre as pessoas. Fugimos do que mais nos ameaça e esquecemo-nos que somos também nós dependentes e manipuladores. Digo da forma mais hipócrita porque me farto de dizer a mim própria que não compreendo nem aceito a linguagem do poder e descubro em mim essa procura de afinidades. E ainda por cima, no meu caso, descobrir afinidades só à distância, talvez porque aprendi a amar personagens e não pessoas, a ver a realidade de uma forma poética e não autêntica. Talvez a distância seja a maior aproximação possível.
Só agora consigo ver o meu afastamento das coisas verdadeiras. A vida é um percurso estranho e sem sentido. Se é que posso utilizar a palavra percurso. Percorrer não tem sido bem aquilo que eu chamaria às sucessivas tentativas de encontrar uma saída, um significado para os labirintos onde me tenho mais ou menos perdido. A palavra adequada é deambular. Deambular tem sido realmente o que eu tenho feito e muito provavelmente o que continuarei a fazer. É a forma que melhor se adapta à minha filosofia. Os labirintos não têm princípio nem fim e não há fuga possível. Nasceste na casa dos monólogos, essa é que é a verdade. A casa dos rituais que impedem qualquer mensagem, que destroem qualquer mensagem. Numa casa assim aprendemos a construir o nosso espaço. Passamos a viver fora de códigos sociais, nada temos a ver com eles. E um dia compreendemos que o nosso percurso, até aí razoavelmente satisfatório para as nossas exigências intelectuais e afectivas, não terá grandes hipóteses de se manter intacto e autêntico. Um dia vêm perturbar a nossa existência com a necessidade de adaptação social. A escola é o primeiro treino e o primeiro desvio no nosso percurso natural. A partir daqui, pelo menos no meu caso, passou a ser uma questão de sobrevivência. É por isso que me considero uma sobrevivente, digo isto para me tranquilizar, repito para mim, és uma sobrevivente, podias ter enveredado pela solução do mimetismo social, repara só no que te podias ter transformado, no que podias ser hoje. Cada vez mais me convenço que o que verdadeiramente interessa na vida só o descobrimos quando saímos dos percursos que nos indicaram.
Este trajecto nem sequer foi uma escolha minha, mas o resultado de um acaso, numa sequência de potenciais acasos, digo potenciais ao pensar em determinadas tendências que nos atraem para este ou aquele percurso. Perdi imenso tempo a tentar recuperar essa realidade e é um sonho ou dois sem nexo que me trazem de volta o que eu pensava ter perdido para sempre (o meu próprio rosto?).
E pensar que essa procura itinerante me levou ao estudo pretensamente científico dos seres humanos! Não sei se fiquei a saber mais do que antes sobre esse assunto, penso até que esse tempo foi tempo perdido, que só me afastou ainda mais da compreensão do que quer que seja que se relacione com a espécie humana. Nada do que fui encontrar nessa escola me aproximou dos seres humanos e muito menos de mim própria. Houve, é claro, uma excepção. E uma determinada aula que vista à distância (ou à aproximação), me abriu várias perspectivas de estudo. Cinco anos a assimilar informações que não são aplicáveis, como os tais mapas muito arrumados que nos dão. Estes professores traduzem até à exaustão os conceitos científicos, que são afinal preconceitos científicos, e os alunos absorvem estes preconceitos para lhes garantir continuidade. Estou a ser também eu preconceituosa, sem dúvida. É a forma mais cómoda de me tranquilizar, digo então, como explicas que antes da tua entrada nessa escola o estudo das pessoas te fascinasse e que depois da tua saída dessa escola te tenha voltado a fascinar?, e como explicas que o estudo científico e organizado não te tenha levado a lado nenhum? E não foi só a sensação desagradável de ter andado a caminhar ao contrário do que queria inicialmente, isto é, ao contrário da minha natureza, foi também ter de fazer um esforço complementar para me libertar de uma data de tiques que sempre nos ficam. Depois dessa experiência procurei evitar tanto quanto possível tudo o que se lhe assemelhasse. Aprendi a identificar com mais facilidade essa violência própria dos especialistas na matéria, essa gente doentia que se distancia dos restantes da sua espécie para os catalogar e arrumar definitivamente. Essa gente é capaz da maior violência sem ter disso consciência, seguram-se aos tais preconceitos científicos. Estes especialistas apenas servem para perpetuar as leis da natureza, as leis sociais contra o indivíduo. A escola simboliza tudo o que vamos encontrar de seguida, a dimensão própria da sociedade, o estilo próprio da sociedade, a violência própria da sociedade."



Revejo-me em tudo neste texto as palavras dela são as minhas aquelas que sempre pensei e nunca disse…estou a pontos de a beijar!! lol

E começa tudo na escola porque na escola ninguém ensina ninguém a entender-se a olhar dentro de si a escutar o outro...a escola tem campainhas para ligarmos e desligarmo-nos, somos autómatos como o cão do Pavlov ao som da sineta nós eternos putos salivamos ou marchamos ao som das campainhas...o importante é competir, colega contra colega, amigo contra amigo, vestir a luva de boxe e civilizadamente ir à luta; o currículo oculto da escola não foi feito para aprender o auto e heteroconhecimento, para estimular a criatividade e a liberdade, mas sim que para que se obedeça acriticamente aos chefes/professores e para que saibamos afinal qual o nosso lugar na sociedade e levamos essa obediência cega para o resto da nossa vida adulta (des)ajustada à loucura da sociedade normalizada standartizada como as maçãs golding de calibre europeu lol...para que não levantemos muitas ondas, para que nos habituemos à falta de sentido e a sermos tristes sem saber porquê, para que definhemos devagar e em silêncio...sempre intuí essa desumanização da escola mas nunca o pude verbalizar sem que me olhassem de lado como um ser doutro planeta alien vá lá, talvez por isso nunca fui, quando criança grande “aluna" nem já crescida grande “educadora”, mas sim mais uma reles sabotadora do sistema de ensino :)

Uma performance selvagem c/ mts abraços e audio-visual no meio: "Maaarrrteeeee atack" ou "o bébé e o palhaço" lol

o colectivo 7'Naves apresenta

No início era o Caos...desorganização estelar, brutalidade visceral...Caminho aos encontrões na multidão, choco contigo, choco comigo, não dou por ti, não dou por mim, nada me importa...porque eu sou o centro do Universo e colido com tudo o resto. Ao início há o Eu e o Tu, nunca o Nós...

De desastre em desastre, de raiva em raiva desenhamos agressões na pele, chovem objectos até não aguentarmos mais e implodirmos...e tudo ficar reduzido a Nada...

O Nada Criador, onde o tudo agora é possível, até a esperança...No início era o Caos Interior e depois do Nada a necessidade dos Outros de Nós Mesmos, o reencontro, a descoberta da ingenuidade, da alegria que sempre habitou dentro de cada um...mesmo dentro do nosso lado mais negro há um novo caminho...

video

P.S parece k foi há anos luz mas foi apenas há 9 meses atrás...

segunda-feira, 23 de março de 2009

"U made me question myself"..."the Devil and God are raging inside me"



If I could just hide
The sinner inside
And keep him denied
How sweet life would be
If I could be free
From the sinner in me

"We only exist to be undone?..."

quarta-feira, 18 de março de 2009

tu silencio- BEBE



somos feitos do mxm ar, das mxms moleculas d sombra e luz, dos mxms silencios e palavras, dores ou prazeres ke anseiam por se abraçar...mas ke se afastam...irremediavelmente?...

terça-feira, 10 de março de 2009

It’s not enough it’s just a habit just because i've got a violent headache

Kiss Off (by violent femmes)

I need someone a person to talk to
Someone who’d care to love
Could it be you could it be you
Situation gets rough then I start to panic
It’s not enough it’s just a habit
Hey kid your sick well darling this is it
You can all just kiss off into the air
Behind my back I can see them stare
They’ll hurt me bad but I won’t mind
They’ll hurt me bad they do it all the time
Yeah yeah they do it all the time
I hope you know this will go down
On your permanent record
Oh yeah well don’t get so distressed
Did I happen to mention that I’m impressed
I take one one one cause you left me and
Two two two for my family and
3 3 3 for my heartache and
4 4 4 for my headaches and
5 5 5 for my lonely and
6 6 6 for my sorrow and
7 7 for no tomorrow and
8 8 I forget what 8 was for and
9 9 9 for a lost God and
10 10 10 10 for everything
Everything everything everything

Umbilical Brothers

Os irmãos umbilicais são uma dupla de performers australianos k me tem garantido algumas horas d diversão principalmente agora k tnh o nariz entupido, a garganta arranhada e tou c um humor semelhante ao do coelho histérico do final lol mas atenção there will be blood...n se aconselha o visionamento deste video a defensores dos direitos d animais d peluche :)

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Vou viver..até kuando eu n sei :)

Em pleno clima d falta d liberdade d expressão (censura numa feira do livro, censura num Carnaval) em plena crise económica (mas n pa todos evidentemente...)aki vai um hino à Vida acima da vidinha sórdida k nos kerem impor, mas nós n deixamos pk "a vida é sempre uma curiosidade " maior do k akilo k nos dão pa comer e amanhã eu..."vou viver
até quando eu não sei
que me importa o que serei
quero é viver,
amanhã, espero sempre um amanhã
e acredito que será mais um prazer"




António Variações / Quero é Viver / Humanos

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

all the lonely people



all the lonely people where do we all belong?...



but tonight i´m alone not lonely :) there were times when i felt...lonelier with you...




I'm not your regular person i guess...i'm an alien lol

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Xmas in February





"And there's no xmas in february
No matter how much he saves"

LOU REED

...mas plo menos há Sol (e a palhaçada do Carnaval)...rapaz/rapariga saiam das sombras antes k elas se colem a vcs pk senao dps n há Sol k vos akeça :(
amamos todos com força semelhante
matamos com a mesma indiferença
não havemos de mudar nunca

procuramos o amor com facas nas mãos

matamos os outros tão depressa
morremos nós tão devagar...

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

M83 - Skin of the Night



Like a moth she moves to the red light
Her blood warms and boils there
She skims the sweat like a new milk
As pops the buttons off her wet blouse

Oh Queen of the Night!
Well she is deep inside!
She is haunting me!
All of her soft parts call to me
She could be mine...

She digs her nails into her naked chest
Miles of veins fan out like a road map
She pulls back the skin to show her ribs
That twinkle like shooting stars.

Oh Queen of the Night!
Well she is deep inside!
She is haunting me!
All of her soft parts call to me
She could be mine...

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

agora...

ele ela ele ela ela ele ela eles sempre os mesmos sem se compreenderem ele e ela sempre os mesmos...como a amei em ti homem, como o desejei em ti mulher...como vos senti em mim...e agora?

agora n é engano talvez ao contrário dakilo k smpr imaginei o amor também acaba e há uma certa leveza nisso agora...

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

mad world...



All around me are familiar faces Worn out places - worn out faces Bright and early for their daily races Going nowhere - going nowhere And their tears are filling up their glasses No expression - no expression Hide my head I want to drown my sorrow No tommorow - no tommorow And I find it kind of funny I find it kind of sad The dreams in which I'm dying Are the best I've ever had I find it hard to tell you 'Cos I find it hard to take When people run in circles It's a very, very Mad World Children waiting for the day they feel good Happy Birthday - Happy Birthday Made to feel the way that every child should Sit and listen - sit and listen Went to school and I was very nervous No one knew me - no one knew me Hello teacher tell me what's my lesson Look right through me - look right through me And I find it kind of funny I find it kind of sad The dreams in which I'm dying Are the best I've ever had I find it hard to tell you 'Cos I find it hard to take When people run in circles It's a very, very Mad World

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Um dia destes...

As estações vêm e vão e não sei porquê mas já não me sinto tão imortal assim...cinzas e amores secretamente vividos...alguém que parte...um adeus ou rumor de asas que foge e fere. Cada momento, cada pessoa que passa é uma oportunidade perdida para dizer: Amo-te!
Um dia destes o Amor vai fazer toda a diferença, não vai?...

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Bittersweet


Bittersweet - Deepak Chopra
In my hallucination
I saw my beloved's flower garden
In my vertigo, in my dizziness
In my drunken haze
Whirling and dancing like a spinning wheel

I saw myself as the source of existence
I was there in the beginning
And I was the spirit of love
Now I am sober
There is only the hangover
And the memory of love

And only the sorrow

I yearn for happiness
I ask for help
I want mercy
And my love says:

Look at me and hear me
Because I am here
Just for that

I am your moon and your moonlight too
I am your flower garden and your water too
I have come all this way, eager for you
Without shoes or shawl

I want you to laugh
To kill all your worries
To love you
To nourish you

Oh sweet bitterness
I will soothe you and heal you
I will bring you roses
I, too, have been covered with thorns

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

"I'm a bird girl. And the bird girls can fly."



"Wish that I'd go to bed If I fall to his feet tonight Will allow rest my head (...)Oh I'm scared of the middle place. Between light and nowhere....I don't want to be the one left in there.(...)
Hope there's someone Who'll take care of me
Who'll set my heart free Nice to hold when I'm tired"

Antony and the Johnsons

Antony and the Johnsons - Another World



another world another time another me

sábado, 24 de janeiro de 2009

what's the point in...?

ainda tenho coisas para amar para dizer, se às vezes parece ke desisto de mim e de ti é só para apanhar o ar, a respiração ke falta para voltar à carga e suportar melhor os dias em ke te espero e tu n vens e as noites em ke te acolho para depois nos desabitarmos um do outro outra vez, eu sei ke a doçura, o amor, a dor, a flor,faca,limão, abraço andam lado a lado connosco arrastando o noxo olhar ke se procura ke se debate nos corpos dos outros, n sou imune a ti nem ao ke de ti sonhei um dia ser possível, todos os milagres cabiam em nós lembras-te, mas pus-me a adivinhar-te outro e errei redondamente no alvo mas a flecha veio a direito e acertou em cheio em mim, descobri k tu eras eu e estavas à minha frente no exacto sitio aonde antes nos ignorávamos e o teu rosto reflectiu o meu olhar, tacteei-te xeirei-te saboreei-te: nós n éramos (somos) tao diferentes axim...sempre iguais em erro...

murmurei-te e foste a brisa k afastou o cabelo da minha cara, o teu suor foi a água ke matou a minha sede, o teu corpo a minha casa...se alguma vez amei, se alguma vez saberei what the fuck is that foi ctg k o aprendi...

E continuo a kerer sonhar mais e mais até á dormência total do corpo, vou acreditando ke te tenho inteiro à minha frente antes de te desfazeres em mais um ekivoco lamentável, é inevitável k o faça uma e outra vez mais n importa se magoa, viver magoa mas é o k nos mantém vivos à tona dos dias k são fugazes e eternos como a lua o sol e k n são nada comparados com o sorriso ke nos ilumina o rosto de esperança e é um relâmpago de dois mil sóis, um estampido de beleza cósmica, ou akele abraço k dura minutos, anos k akece galáxias de solidão e dá grandeza ao grão de areia k somos todos nós patéticos em ilusões de amor e sedentos de aprovação admiração ou dirão alguns em casos mais extremos e agudos de carência: suplicantes por um pouco de compreensão e damor damor damor damor damor ke nos justifike a estadia por aki neste planeta...

e porke é k estou aki? kual a finalidade desta merda toda caralho lol? Porke é k n podia ter encarnado noutra coisa kualker menos incómoda (pra mim pra ti e pros outros- o raio k os parta lol)?

...e eu sei tu sabes k a finalidade de td ixto é estares aki antes de deixares de o estar e de o ser, é tão simples e estúpido kuanto ixo mas como esta resposta n nos é suficiente por ser tao pouco poucachinha kuase nada, inventamos de Tudo desde Deus, às missões pessoais, ao amor, à ética, ou a falta dela, ou ainda lixar o proximo ou ter mt mt guito como significado da vida o poder comprar coisas e consciencias ou comer a comida no prato, ou na cama o sexo, ou alimentarmo-nos de literatura ou da musica, em busca de td akilo k nos preenxa ou nos esvazie de sentidos k nos torne um pouco melhores ou piores só para n nos encararmos nus e crus, vulneráveis nestas pekenas e simples kestões infantis as mais dificeis e fodidas de todas para se responder e nem toda a filosofia nem toda a ciência inventada o conseguem fazer só a fé mas o ke fazer kuando se é um ateu não por convicção mas por pura impossibilidade de acreditar??

...por mim eu existo para olhar para ti, é tão banal e inútil kuanto ixo a minha vida, existo para te ver e podia faze-lo até ao fim do fim da minha ridícula eternidade ke é finita e comezinha já ali ao virar da eskina sem nunca nunca nunca nunca me cansar...pk ainda fazes-me sentido e muita muita falta...

Hj a minha finalidade n foi ver "the meaning of life" dos Monthy nem fazer glu glu e manter-me afastada do prato dos clientes como peixe em cativeiro k sou hj por ausencia de ti e de mim o objectivo foi afogar-me em td akilo k altera e faz mal e sabe tão bem e ainda axim me ajuda a clarificar dum modo obtuso e recto o lago de águas turvas do meu pensamento...so did i make any sense...big fish litle fish glu glu get out of these fishey waters please...